Oito cidades no interior de SP para aproveitar o feriado de Finados em meio à natureza; veja

De cachoeiras e praias aos refúgios em meio às montanhas da Mata Atlântica, confira opções de viagens próximas à capital paulista

PUBLICIDADE

Foto do author João Ker
Por João Ker

O feriado de Finados, nesta quinta-feira, 2, é uma boa oportunidade de descanso, principalmente para quem conseguir emendar os quatro dias e retomar o trabalho apenas na segunda-feira, 6. O Estadão lista abaixo oito cidades visitadas pela série Bate e Volta SP no interior do Estado para quem quiser aproveitar a folga em meio à natureza.

Legado das Águas

Com 31 mil hectares de área preservada, o Legado das Águas é a maior reserva privada de Mata Atlântica em todo o Brasil. Próximo às cidades de Tapiraí e Miracatu, o espaço tem o conceito de “uso múltiplo do território”. Na prática, isso significa que há muitas opções de programas por lá, a depender do perfil do visitante.

Trilha do Cambuci é feita por passarela suspensa que permite imersão multissensorial na Mata Atlântica Foto: Léo Souza / Estadão

PUBLICIDADE

Para quem gosta de adrenalina, a trilha da Cachoeira Dezembro tem nível fácil, mas uma boa caminhada pela mata até chegar ao seu destino final; aqueles que quiserem ainda mais aventura, há ainda outras trilhas mais difíceis e as opções de safári noturno ou canoagem pelo Rio Juquiá (veja abaixo como é a experiência).

Fora o turismo de aventura, o Legado das Águas também é um destino que pode agradar quem quer apenas se desconectar do mundo lá fora e curtir uns dias de sossego em meio à natureza. A base, onde ficam os quartos para hospedagem, fica a cerca de 35 quilômetros dentro da floresta, o que por si só já garante um silêncio quebrado apenas pelo barulho dos (muitos pássaros). Outras trilhas mais fáceis, como a Cambuci, e o Centro de Biodiversidade, com centenas de plantas e flores, também estão localizados nas imediações.

Confira os preços, programação e disponibilidade no site oficial do Legado das Águas (aqui).

Joanópolis

Na divisa de São Paulo com Minas Gerais, Joanópolis é conhecida há décadas como a Capital do Lobisomem. Mas a cidade também esconde paisagens bucólicas e uma boa oferta de cachoeiras e trilhas que lhe rendeu um outro apelido: Joia da Mantiqueira.

Cachoeira Escondida, em Joanópolis Foto: Tiago Queiroz / Estadão

Para os fãs do turismo ecológico, a principal parada por lá é a Cachoeira dos Pretos, que tem mais de 150 metros de altura e é uma das maiores em todo o Estado de São Paulo. O acesso é fácil, feito por uma passarela de madeira, e logo na praça de entrada é possível encontrar opções de hospedagem e de alimentação (bares, lanchonetes, restaurantes etc.).

Publicidade

Outro ponto que vale a pena visitar é a Cachoeira Escondida, que apesar do nome tem várias placas espalhadas pela cidade indicando o caminho. A infraestrutura lá é um pouco mais precária, mas ainda tem banheiros e restaurante. O grande atrativo é a beleza da queda d’água, com poço mais raso e correnteza mais fraca que a sua vizinha, além de alguns “bancos naturais” formados entre as pedras.

Confira aqui os destaques de Joanópolis e como chegar até eles.

Ilha Comprida

No litoral sul de São Paulo, Ilha Comprida tem 100% do seu território declarado Área de Proteção Ambiental. O resultado disso é 74 quilômetros ininterruptos de praias sem quiosques na areia e uma amostra exuberante de árvores e animais da Mata Atlântica por toda a orla.

Praia da Pedrinha, na parte sul de Ilha Comprida Foto: Werther Santana / Estadão

PUBLICIDADE

Como a ponte de acesso que liga a cidade a Iguape fica na ponta norte da ilha, essa é a área com mais opções de estabelecimentos comerciais e, consequentemente, turistas. Mas quem busca um beira-mar mais sossegado também encontra por lá, principalmente nos pontos da parte sul, como a Praia do Viaréggio (o peixe ao molho de camarão servido no Adauto’s Bar é uma ótima pedida para o almoço).

Talvez o principal diferencial de Ilha Comprida seja, entretanto, suas dunas, que são as maiores, mais antigas e melhor preservadas em todo o Estado. As Dunas de Juruvaúva são o principal exemplo desse bioma e ficam também na porção sul da cidade, mas é preciso chegar cedo porque o acesso depende da previsão do tempo e da altura da maré.

Por lá, a Vila das Pedrinhas também é uma parada quase obrigatória, com opções de restaurantes e passeios específicos pelo rio, além de artesanatos feitos pelos próprios caiçaras. Confira o roteiro completo aqui.

Barra Bonita

A 300 quilômetros da capital paulista, Barra Bonita tem pouco mais de 36 mil habitantes e é quase completamente cercada pelo Rio Tietê. A diferença é que, lá, o rio mais famoso e importante de São Paulo é limpo a ponto de ser próprio para banho, movimentando boa parte da vida social e do turismo da cidade.

Publicidade

Em Barra Bonita, o Rio Tietê pode variar dos 15 aos 35 metros de profundidade a depender do dia e volume de chuva Foto: Tiago Queiroz / Estadão

O trajeto de barco acima ou abaixo do Rio Tietê é algo que por si só já vale a pena, mas em Barra Bonita há um atrativo a mais com a travessia pela Eclusa, que é basicamente um elevador de embarcações movido a água e uma das tradições na cidade. Há várias opções de navios e companhias que fazem o passeio, a maioria deles com o almoço incluso no preço da passagem.

As viagens podem variar de 1h30 a 4h, a depender das opções de passeio completo ou de apenas meio percurso. Todos incluem a passagem pela eclusa, entretanto. Ao longo de todo o trajeto, a vista do Tietê ainda intacto, com águas verdes e cheias de vida é realmente inesquecível, principalmente para quem precisa encarar diariamente o trecho poluído da capital.

Por sinal, não deixe de visitar também o Memorial do Tietê, que conta toda a história do rio, sua relação com Barra Bonita e tem amostras assustadoras de amostras coletadas em diferentes trechos da nascente à foz. Veja aqui mais imagens, como funciona uma eclusa e algumas navegações que fazem o passeio.

Analândia

Com uma população estimada em apenas 5 mil habitantes, Analândia se orgulha de não ter prédios, shoppings ou semáforos. Esse estilo de vida do interior é potencializado pela enorme quantidade de cachoeiras espalhadas pela cidade, que conserva mais de 700 nascentes preservadas na Serra do Itaqueri.

Cachoeira do Salto, em Analândia Foto: Alex Silva / Estadão

As opções de cachoeiras variam de acordo com o que você procura: a do Salto, no centro, tem entrada gratuita, piscina natural rasa, queda d’água forte e relaxante e um restaurante às margens do poço principal; a do Escorrega é, como o próprio nome indica, escorregadia, o que pode ser igualmente perigoso e divertido a depender da sua idade; a do Rangel já é menor e mais escondida, mas uma das mais limpas e preservadas de toda a cidade.

Apesar de toda essa variedade, o principal cartão-postal da cidade é o Morro do Cuscuzeiro, que parece, isso mesmo, um cuscuz paulista. A trilha até o topo é de fácil acesso, ou o mais fácil que uma subida a mais de 1 mil metros de altitude consegue ser. Nos pés da montanha, a Fazenda Pedra Viva tem restaurante, piscina, espaços infantis, atividades como tirolesa e arvorismo, além de espaço para acampamento.

Analândia também guarda algumas das grutas mais importantes de São Paulo, como a do Índio, a Toca da Onça e a Nossa Senhora de Lourdes, que só são acessadas com o auxílio de um guia. O contato dele e outras opções de visita por lá você encontra clicando aqui.

Publicidade

Cunha

Eleita a cidade mais acolhedora de São Paulo, Cunha fica na divisa do Estado com o Rio de Janeiro e já foi avistada por muitos dos viajantes com destino a terras fluminenses. Mas se engana quem acha que o município é apenas uma terra de passagem: cercada pelo Parque Estadual da Serra do Mar e próxima à Serra da Mantiqueira, ela guarda uma série de atrações únicas em meio à natureza.

Pôr-do-sol visto do alto da Pedra da Macela Foto: Tiago Queiroz / Estadão

A mais conhecida dessas atrações é o Lavandário, a maior plantação de lavanda do Estado e um local que parece saído direto de um filme. O aroma da flor já é sentido antes mesmo de atravessar o portão, afinal são 40 mil pés plantados pela propriedade. O espaço é uma ótima opção de piquenique a dois ou passeio em família, sem falar na oportunidade de experimentar o famosíssimo picolé de lavanda.

Outro ponto imperdível por lá é a Pedra da Macela, a 1.840 metros de altura, no Parque Nacional da Serra da Bocaina. Do topo, é possível ver o mar de Angra dos Reis e Paraty, além de admirar um pôr-do-sol inesquecível. Os mais aventureiros ainda conseguem acampar por lá também.

Cunha também é conhecida por seus vários ateliês de cerâmica, então não deixe de passar em um deles para garantir um souvenir de lá (o Suenaga e Jardineiro é um dos mais tradicionais, por sinal). Aqui você encontra mais dicas da cidade.

Cabreúva

Distante apenas 90 quilômetros de São Paulo, Cabreúva é uma típica cidade do interior, onde o tempo passa mais devagar e a prosa à mesa do bar é o principal programa dos fins de semana. Uma boa opção para quem quer sossego sem muita badalação, o município é rodeado pela Serra do Japi e também oferece paisagens bucólicas para o descanso da mente e das vistas.

Fazenda Guaxinduva, em Cabreúva Foto: Tiago Queiroz / Estadão

Para quem quer apenas se hospedar sem preocupações maiores que respirar ar fresco, a Fazenda Guaxinduva oferece acampamento, refeições, trilhas, cachoeiras e pescaria tudo no mesmo local. O espaço também tem a opção de day use aos fins de semana e feriados para aqueles que não quiserem se hospedar por lá.

Um programa adequado para famílias, grupos de amigos e, principalmente, casais é uma visita ao Pé do Morro, que promove piqueniques ao ar livre e oferece cestas confeccionadas pela própria equipe com alguns dos seis tipos de queijos produzidos por lá. Se você der sorte, ainda consegue pegar uma das pizzadas, que acontecem mensalmente.

Publicidade

Completando o clima de descanso e paz interior, o Centro de Meditação Kadampa Brasil abre suas portas aos fins de semana e feriados para receber visitantes com atividades guiadas. Confira aqui todos os endereços, disponibilidades e outras opções para curtir Cabreúva.

São Francisco Xavier

Próxima à divisa com Minas Gerais, São Francisco Xavier é outra opção de descanso e relaxamento em meio à vasta natureza da Serra da Mantiqueira. Conhecida como “São Xico”, a cidade tem algumas das cachoeiras mais visitadas do Estado e fica a apenas 150 quilômetros da capital paulista.

Mirante da Pedra de São Francisco, em São Francisco Xavier Foto: Tiago Queiroz / Estadão

Uma das principais atrações por lá é o Mirante da Pedra de São Francisco, já na divisa com o município de Monteiro Lobato. Além da vista de tirar o fôlego, o local tem hospedagem e restaurante próprios, cujo carro-chefe é a polenta frita com carne servida na pedra.

Quem não se contentar apenas com a vista e o silêncio da cidade, o Bruxinhas do Mato é uma forma de aumentar ainda mais a sensação de relaxamento e desconexão com o mundo exterior. O local tem uma porção de massagens e banhos de flores e folhas que são colhidas diretamente na propriedade. É para descansar e não pensar em mais nada.

Confira aqui outras opções de passeios, cachoeiras e restaurantes por São Francisco Xavier.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.